Instituto Brasil Rural

  • português
  • español
  • english
Principais Atividades

Turismo no Espaço Rural

Guia Rural

Estudo Preliminar da cadeia produtiva do Turismo Rural No Brasil

Estudo Preliminar da cadeia produtiva do Turismo Rural No Brasil

Confraria Ruarl





Rede Colaborativa de Boas Práticas Sócioambientais dos Negócios do Turismo Rural

Rede Colaborativa de Boas Práticas Socioambientais dos Negócios do Turismo Rural

 

O Instituto de Desenvolvimento do Turismo Rural Brasil Rural procurando alcançar as metas da Agenda 2030 da ONU que contemplam as dimensões sociais, econômicas, ambientais e institucionais elencados nos seus 17 ODSs (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável), inicia este novo ano com o fortalecimento da metodologia de Rede Colaborativa de Boas Práticas SócioAmbientais dos Negócios  Turismo Rural parte da iniciativa “ Projeto Redes de Turismo Rural”. O “Projeto Redes do Turismo Rural” que nasceu no ano de 2015, no mesmo ano do lançamento da Agenda 2030 pela ONU, com o propósito de fortalecer o turismo rural brasileiro fomentando redes e potencializando parcerias, teve sua primeira ação com a criação no ano de 2017 da Rede de Desenvolvimento do Turismo Rural - Movimento IDESTUR” considerada um modelo inovador de desenvolvimento de redes pois se formou como um coletivo com a participação de pensadores e profissionais especializados em áreas multidisciplinares com ampla experiência e interesses comuns. A Rede de Desenvolvimento do Turismo Rural - Movimento IDESTUR” foi constituída por um colegiado multidisciplinar, formado por cidadãos compromissados e profissionalmente qualificados em suas respectivas áreas de atuação que unidos tinham como princípio fundamental promover ações voltadas à redução das desigualdades sociais e estímulo à cidadania.

 

Já no ano de 2019 a iniciativa “Projeto Redes do Turismo Rural” destacou mulher o turismo rural quando com a colaboração de várias entidades parceiras fomentou o nascimento da Rede Mulheres do Turismo Rural com propostas diferenciadas que se pautaram e debater as questões que afligiam as mulheres do turismo rural e defendiam os posicionamentos a partir de um entendimento das mulheres e seu papel no mundo rural e no mundo do turismo.Em 2020 iniciativa “Projeto Redes do Turismo Rural” em novo repasse de metodologia de redes apoiou a criação da Rede de Turismo Rural Consciente com a finalidade de incentivar redes de colaboração e agendas propositivas fortalecidas pela necessidade da união e de construção de novos caminhos causados pelas condições decorrentes da pandemia da COVID 19 A Rede TRC que agrupou desde sua concepção empreendedores, agricultores e técnicos, trabalhando por políticas de responsabilidade social, segurança, saúde e sustentabilidade em prol do turismo rural brasileiro inclusivo, preconizou práticas sustentáveis voltadas para atender as metas propostas dos ODS. Destacando-se como inovação desta proposta a possibilidade de fortalecer a troca de saberes entre membros com o fortalecimento da empatia, solidariedade, trabalho em equipe, busca de soluções compartilhadas para problemas comuns.


A Rede Colaborativa de Boas Práticas SócioAmbientais dos Negócios do Turismo Rural que tem com o objetivo promover o desenvolvimento regenerativo, além sustentável através da diversificação das atividades reconhecendo tanto o potencial dos sistemas produtivos agropastoris como também o do turismo e as boas práticas socioambientais como elementos fundamentais para o fortalecimento dos vínculos territoriais locais, surge como um processo de inovação uma iniciativa de sustentabilidade adotada para enfrentamento não só da pandemia que assolou o mundo nos últimos anos mas também do cenário atual de graves problemas ambientais e mudanças climáticas enfrentadas no Brasil que demonstram o distanciamento com os compromissos globais.


As mudanças climáticas e a perda de biodiversidade que a humanidade está enfrentando estão intimamente relacionados a forma como usamos nossas terras o que têm cada vez mais pressionado o universo rural, por isso para a Rede Colaborativa de Boas Práticas SócioAmbientais do Turismo Rural a inovação no turismo rural deve permear a tecnologia, os produtos e os serviço, deve ser disruptiva, impactando a sociedade e trazendo transformação.


Inicialmente a construção de um mapa estratégico foi o caminho proposto para a Rede Colaborativa de Boas Práticas SócioAmbientais dos Negócios do Turismo Rural, denominado também como “Matriz de Autoanálise”, conta com a presença de especialistas em gestão mercadológica em turismo trazendo na bagagem a experiência adquirida com a criação de múltiplos roteiros, mapeando os elos fundamentais da rede de colaboração, entrevistando os diversos atores, coletando dados fundamentais e propondo espaços para a participação de todos no reconhecimento do território promovendo que todos os envolvidos reconheçam os dados cotidianos, questionem e aprendam algo novo ou comum.


A matriz de autoanálise é de fato o desenho de um programa de desenvolvimento turístico rural que permite a promoção, o desenvolvimento econômico e social da região, através do aumento da produtividade e renda e do respeito aos limites dos sistemas locais. 2a Etapa é a elaboração de Índice de Desenvolvimento do TR com o foco em monitorar os projetos e criar indicadores que permitam a promoção e o desenvolvimento, que inclui análises de viabilidade da promoção e operacionalização da atividade buscando sistematizar contribuições técnicas relevantes e levando em conta experiências bem-sucedidas de todos os membros da rede membros representantes tanto das comunidades tradicionais, do agronegócio local como da  agricultura familiar. 


3a. Etapa é a Sensibilização para Modelagem de Gestão que promove não só a sensibilização como a mobilização e qualificação empreendedora para a modelagem de negócios, partindo de palestra de engajamento abordando tema como o Turismo Rural: Mercado, desenvolvimento econômico e a busca pela experiência”. 4a. Etapa Engajamento de Vocações e o desenvolvimento colaborativo para a criação da rede de governança na procura conhecer potencial de cada elo desta rede e fazer entender à todos exatamente quem é, e o que faz, procurando um insight, uma vocação que vai levar o grupo a construir uma nova visão.  Nesta etapa foi fundamental que todos os participantes viessem a assumir o desafio de ampliar seu olhar sobre as práticas apresentadas, questionar as metodologias implementadas e fortalecer a perspectiva de gênero nas suas ações e nas reflexões institucionais 


5a. Etapa Inspirações procurou inspiração as sistematização dos dados e no mercado de comunicação com a missão de preparar dados para a construção de conteúdos programáticos, workshops, material para palestras e campanhas de engajamento, além da equipe de campo e editoração. A 6a. Etapa elencou a necessidade da Construção de Materiais e Campanhas de Engajamento com a geração de documentos/insumos para fortalecimento da Rede Colaborativa de Boas Práticas SócioAmbientais dos Negócios Turismo Rural e promoção do desenvolvimento de uma região rural e turística de maneira sustentável, regenerativa e elemento da dinamização local territorial.A 7a. Etapa de Articulação para a metodologia , pois O instituto reconhece que o sucesso da metodologia Rede Colaborativa de Boas Práticas SócioAmbientais dos Negócios Turismo Rural é fundamental para fortalecimento de rede sendo necessário aqui ter a mente aberta para desconstruir, construir e depois articular pessoas e competências.

Rede Colaborativa de Boas Práticas SócioAmbientais dos Negócios Turismo Rural Case PR

© 2022 Instituto Brasil Rural - Todos os direitos reservados
by Guest   Fotos Pisco Del Gaiso
He went on to produce his own watches a few years later, and replica watches the Rolex name came about in 1908. In about 1920 he moved to Bienne, Switzerland to open Montres Rolex S.A., which is when everything really begun. Just six years later the brand's hallmark product family would be released. One thing is notably absent from the 1926 Rolex Oyster replica watches. The trademark crown logo is missing. Rolex didn't come up with the crown logo until the early 1930s, but you can see that on one of the pieces the Rolex name was presented in the same font and style that it is in today. You'll also notice the replica watches uk fluted bezel, which is also a hallmark of Rolex design on today's Datejust and Day-Date models (among others) This was part of replica watches the patented water-resistance system employed in the Rolex Oyster. Hermetically sealed, the Rolex Oyster was innovative not just for being able to be taken into the water, but for resisting a range of replica watches sale liquids and particles such as dust from entering the case.