Instituto Brasil Rural

  • português
  • español
  • english
Principais Atividades

TURISMO RURAL NA PARAÍBA

 

 O TURISMO RURAL: DESTAQUE PARA PARAÍBA RURAL 

 

Turismo Ruralé um das novas alternativas que o campo vem encontrando para  diversificar a oferta do universo rural, aumentar os postos de trabalho e a renda; valorizar a as diferenças regionais, promover e divulgar a riqueza do patrimônio cultural e natural presente nos espaços rurais e diminuir as distancias entre as pessoas da cidade e do campo facilitando ao visitante a convivência com a natureza, o aprendizado sobre os modos de produção agropecuária e o conhecimento sobre os meios de vida, tradições e cultura dos produtores e produtoras rurais.  

O Turismo Ruralé uma prática adotada em todas as regiões do Brasil ( Sul, Sudeste, Centro Oeste, Nordeste e Norte) e as atividades são constituídas pela oferta de serviços, equipamentos e produtos turísticos de hospedagem; alimentação; operação e agenciamento; recepção à visitação em propriedades rurais entre outras atividades praticadas no meio rural que se constituam no motivo da visitação.

No Brasil,o turismo rural e a produção associada ao turismo como o artesanato e as demonstrações culturais são ferramenta de desenvolvimento territorial que começaram a se desenvolver à aproximadamente 30 anos e são reconhecidas como uma estratégia de baixo impacto e alto potencial de desenvolvimento sustentável, já que dinamiza o processo produtivo, diminui êxodo rural e garante novos empregos e rendas.

Atualmente, a realidade da atividade aponta esta, como segmento que funciona como dínamo regional articulando ações entre seus diferentes atores como os agricultores familiares, comunidades rurais quilombolas, assentamentos, caiçaras, produtores rurais de médio porte e representantes da agricultura tecnológica. 

Referente ao Turismo Rural Comunitárioesta é uma forma da atividade que propõe um modelo de desenvolvimento reconhecendo iniciativas comunitárias, que ordenadas e bem estruturadas representam importantes experiências turísticas, agregando valor, gerando renda e empregos locais. Mas, de uma forma em geral, para o sucesso da atividade é importante entender os desafios econômicos, sociais e ambientais da atividade, bem como reconhecer que são os “saberes e fazeres” locais da comunidade o grande destaque desta realidade.

O turismo rural comunitário tem como objetivo valorizar os conceitos de produção justa, economia solidária e cultura rural, sendo tradicionalmente um indutor de desenvolvimento local e fortalecimento comunitário.  E a medida que avança o desenvolvimento da atividade turística em comunidades rurais produtivas, é de fundamental importância reconhecer a cadeia produtiva desta atividade de prestação de serviço diretamente relacionada com a produção rural. Bem como, as interfaces de lideranças internas da comunidade, mão de obra, insumos e gerenciamento associativo, voltado tanto para a agricultura como para o turismo.

No turismo rural comunitário, há uma forte heterogeneidade da oferta das atividades, no que se refere às diferentes formas de prestação de serviços, qualidade, segurança e capacitação. O arranjo produtivo integra atividades de hospedagem, transporte, recepção, entretenimento e alimentação, consorciada com a oferta da produção associada ao turismo do artesanato local, venda dos produtos primários como frutas e verduras e produtos transformados da agroindústria como: queijos, doces, licores. E, é exatamente esta coexistência entre as atividades turísticas com a agroprodução e a cultura e identidade local, que é determinante para a sobrevivência dos projetos de turismo rural. 

Na cadeia produtiva do turismo rural comunitário, a formação da governança interna na comunidade é condição fundamental, mas, se faz necessário analisar e interagir com distintos atores externo que são os distribuidores (agências, operadoras e sistemas de vendas por internet e centrais de reserva), consumidores finais e instituições de apoio públicas e privadas, formadas por representantes da administração pública federal, governos estaduais e municipais com suas agências locais de promoção turística, as universidades, os institutos de desenvolvimento e pesquisa. Uma rede produtiva fortalecida pelas interligações locais. 

Na Paraíba as atividades de turismo rural contam um pouco da história deste povo, desde as tradicionais cachaças produzidas em engenhos da época de um Brasil Imperial até as produzidas em pequenas propriedades de agricultura familiar com esmero e carinho, mas principalmente em comunidades rurais onde o turismo rural é protagonizado pela comunidade. 

No Estado o Brejo Paraibano se destaca nesta realidade em comunidades do Município de Areia e no Território do Carirí Oriental com algumas experiências bem-sucedidas de convivência com o Semiárido desenvolvidas por agricultoras e agricultores rurais, jovens, artesãs e artesões voltadas para o manejo de ovinos e caprinos, preservação de recursos naturais, produção associada ao turismo,preparação de alimentos a partir de diversidade de produtos da região e organização comunitária, que merecem ser conhecidas. 

São atividades, que valorizam o patrimônio cultural, ambiental, social e econômico e algumas destas serão visitadas com o objetivo de fortalecer a disseminação de conhecimentos sobre temas relevantes para o Semiárido.  Cabe ressaltar que algumas das experiências visitadas tem grande potencial, mas ainda não adotam a atividade de turismo como diversificação da renda para a propriedade. Algumas estão em processo de implementação e outras em reflexão sobre o tema e viabilidade. 

TURISMO RURAL NA PARAÍBA Revista Host

A 7ª RURALTUR 2011 será realizada no Espaço de Eventos da FIEP – Federação das Indústrias do Estado da Paraíba, em área coberta constando de 40 stands de (9m2), onde os expositores regionais demonstrarão suas experiências e colocarão em exposição seus produtos e serviços. A 7ª RURALTUR – Feira Regional de Turismo Rural irá promover o segmento do turismo rural apresentando destinos, agências, empreendimentos, serviços, rotas e roteiros, bem como proporcionará discussão e debates para a melhoria do segmento, através do 2º Seminário Nordeste de Turismo Rural, que acontecerá durante o evento. Para incrementar ainda mais as oportunidades geradas durante a Feira, será realizada a 7ª Rodada de Negócios do Turismo Rural do Nordeste onde empresários do turismo rural poderão reunir-se com receptivos e agências de turismo para firmar parcerias e fechar negócios

© 2019 Instituto Brasil Rural - Todos os direitos reservados
by Guest   Fotos Pisco Del Gaiso
He went on to produce his own watches a few years later, and replica watches the Rolex name came about in 1908. In about 1920 he moved to Bienne, Switzerland to open Montres Rolex S.A., which is when everything really begun. Just six years later the brand's hallmark product family would be released. One thing is notably absent from the 1926 Rolex Oyster replica watches. The trademark crown logo is missing. Rolex didn't come up with the crown logo until the early 1930s, but you can see that on one of the pieces the Rolex name was presented in the same font and style that it is in today. You'll also notice the replica watches uk fluted bezel, which is also a hallmark of Rolex design on today's Datejust and Day-Date models (among others) This was part of replica watches the patented water-resistance system employed in the Rolex Oyster. Hermetically sealed, the Rolex Oyster was innovative not just for being able to be taken into the water, but for resisting a range of replica watches sale liquids and particles such as dust from entering the case.